Portal atualizado em: 3 de dezembro de 2021 às 17:53h

Prefeitura de Sapé esclarece sobre óbitos no município, denuncia uso político dos fatos e pede respeito aos profissionais de saúde

Início Prefeitura de Sapé esclarece sobre óbitos no município, denuncia uso político dos fatos e pede respeito aos profissionais de saúde

A Prefeitura de Sapé vem a público esclarecer sobre as informações desencontradas que circulam envolvendo o óbito de duas pessoas na cidade. De antemão, a gestão municipal lamenta as notícias falsas e a tentativa de utilização política sobre assuntos tão sérios envolvendo cidadãos da cidade e os profissionais que atuam na linha de frente do serviço de saúde para salvar vidas.

 

Conforme explicou o diretor do Hospital Sá Andrade, Wilson Cavalcante, uma das pessoas faleceu na última quinta-feira (18), após sofrer uma parada cardiorrespiratória. O paciente foi atendido no hospital, recebeu assistência médica necessária, com várias tentativas de reanimação, mas infelizmente não resistiu.

“O médico plantonista estava em outro atendimento de urgência e em seguida prestou todo o socorro necessário para o paciente que chegou com sinais de infarto, que já era cardiopata e havia passado o dia inteiro com sintomas, mas só foi levado ao hospital no final do dia, na quinta-feira. Lamentamos as inverdades que estão sendo espalhadas, inclusive, que esse episódio teria acontecido nesse final de semana”, comentou o diretor.

 

O Hospital Sá Andrade tem uma média de 3.500 a 4.000 atendimentos por mês e uma média de 100 a 150 atendimentos ao dia. Desde janeiro, já foram implantados os serviço de raio-X e laboratorial 24 horas na unidade, que não existia,  além da recuperação da área vermelha, com monitores e respiradores, bomba de infusão. O hospital está ampliando uma ala para o atendimento aos doentes com a covid-19, que terá 10 leitos equipados com respiradores.

 

“Melhoramos o tratamento humanizado, mesmo com todas as dificuldades, com o aumento de casos nesse período de pandemia, o atendimento melhorou e, principalmente, estamos atendendo em um menor tempo. Faço um apelo para que respeitem nosso trabalho e todos os profissionais de saúde e deixem de nos acusar. Estamos na linha de frente, lutando contra o tempo e contra todos os obstáculos. Falar algo diferente disso é pura irresponsabilidade”, apelou.

 

Samu – O segundo caso ocorreu neste domingo (21), quando uma pessoa foi até a sede do Serviço Móvel de Urgência (Samu) para que uma equipe pudesse ir até a residência de um senhor atestar o seu falecimento. Os integrantes explicaram que o trâmite do atendimento é realizado por meio do telefone 192 e que eles não poderiam se deslocar até o local sem que o acionamento fosse feito por telefone.

 

Em paralelo, a equipe estava realizando a transferência de uma paciente com Covid-19, em estado grave, para um hospital de Campina Grande. “Não é verdade que houve qualquer tipo de problema com equipamentos ou materiais do Samu. O que houve foi um desencontro no acionamento do serviço. A equipe estava realizando o translado de uma paciente grave e intubada. Desde o princípio fomos informados que, infelizmente, o paciente já tinha falecido e que a necessidade era da comprovação do óbito. Enquanto isso, nós estávamos em plena atividade para garantir que uma vida fosse salva”, explicou o coordenador do Samu em Sapé, Paulo César Alves Sousa.

 

Paulo César explicou que o Samu de Sapé atende ainda os municípios de Sobrado, Riachão do Poço, Mari e ainda algumas demandas em Cruz do Espírito Santo. Atualmente são apenas dois veículos e suas respectivas equipes para atender a toda essa população. O Serviço possui uma Unidade de Suporte Básico e uma Unidade de Suporte Avançado. Ele lamentou ainda que existam pessoas concentradas em espalhar mentiras, levantando calúnias e informações falsas, tudo, por motivação política.

 

“O número de atendimentos vem crescendo cada vez mais, por conta da pandemia e, infelizmente o quantitativo de ambulâncias continua o mesmo. Ao invés de espalhar mentiras, esses agentes políticos deveriam se unir para lutar por mais veículos do Samu, por exemplo, junto ao Governo Federal, e não jogar a culpa para os profissionais da saúde. Nós estamos no nosso limite, mas estamos lutando diariamente para salvar vidas. Por favor, parem de nos acusar de negligência e de espalhar mentiras. O momento é de união por vidas. Desçam dos palanques!”, desabafou.

 

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Ao continuar navegando no nosso portal, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Para ter mais informações, acesse nossa página de Política de Privacidade

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support