Portal atualizado em: 26 de setembro de 2022 às 15:01h

Prefeitura de Sapé tem rede de apoio para adolescentes grávidas

Início Prefeitura de Sapé tem rede de apoio para adolescentes grávidas

A Prefeitura de Sapé possui uma rede de serviços para atender a adolescente que passa por uma gestação. No mês de fevereiro, voltado para a conscientização sobre a gravidez na adolescência, a gestão destaca as ações e programas da Secretaria de Desenvolvimento Social na prevenção e também acompanhamento dessas gestantes.

Titular da pasta de Desenvolvimento Social, Denise Ribeiro ressalta que o apoio da gestão vai até o período pós-gravidez. “Fazemos orientações sobre como prevenir a gravidez precoce e buscamos estreitar o vínculo familiar, para que esse tipo de assunto também seja abordado”, detalha.

Quando a gravidez já ocorreu, a pasta oferece suporte e acolhimento para a mãe e também sua família, para fortalecer o núcleo que logo receberá um bebê. O acompanhamento acontece ao longo dos nove meses, com encontros e roda de debates entre mulheres na mesma situação. Nesse período, a assistência social faz o encaminhamento para que a adolescente tenha acesso prioritário em toda a rede de saúde, podendo realizar o pré-natal e as consultas com o profissional que acompanhará a gestação.

Abuso sexual – Dados divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que entre 2011 e 2016, 16.680 adolescentes foram estupradas e desses abusos, 2.387 resultaram em gravidez. Em Sapé, o Centro de Referência de Assistência Social (Creas) reforça a conscientização das adolescentes e suas famílias sobre o tema e ainda aciona órgãos de proteção em casos que necessitem de uma intervenção.

Já o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) atua na garantia de direitos sociais dos núcleos familiares, incluindo doação de enxoval e ainda auxiliando na emissão de documentos, daquelas que não possuem.

Denise explica que a gestação pode contribuir para uma série de problemas sociais e emocionais, como a evasão escolar, aumentando riscos de dependência econômica e perpetuação da pobreza. A vergonha e sentimento de abandono também costumam ser comuns para essas meninas.

“Esse é um assunto delicado que lidamos durante todo o ano, fazendo um alerta maior neste mês de fevereiro. Orientar, conscientizar e dar suporte é o que mais essas jovens precisam nesse momento, já que esse apoio faz uma grande diferença em como ela lidará com a gestação e como será sua vida após a gravidez”, avalia.

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Ao continuar navegando no nosso portal, você concorda com a nossa Política de Privacidade. Para ter mais informações, acesse nossa página de Política de Privacidade